INSTITUCIONAL
  Sobre Nós
  Governança
  Identidade Visual
  Federações
  Notas Oficiais e Portarias 
  Editais e licitações
  Fale Conosco
  Ouvidoria
O ESPORTE
  Atletas     
  O Triathlon
  Paratriathlon    
  Normas e Regulamentos
  Classificações
  Calendário
  Resultados
  Ranking
ÁREA MÉDICA
  Exames
  Antidopping
  Nutrição
  Riscos
  Assédio no Esporte
 

RISCOS E PREVENÇÃO

O Triathlon é um dos mais esportes de resistência mais modernos e praticados no mundo. O esporte fez sua estreia como esporte Olímpico nos Jogos de Sydney no ano 2000, apenas 19 depois de ser oficialmente reconhecido pelo Comitê Olímpico Internacional (COI).

Muito se sabe sobre natação, ciclismo e corrida, mas a prática combinada das três disciplinas envolve problemas específicos. A alternância das três modalidades, as diferentes distâncias, as condições climáticas de algumas competições, as técnicas de treinamento, o melhor equilíbrio muscular, são as causas pelas quais o triathlon requer constantes e específicos estudos sobre fisiologia, traumatologia, biomecânica e técnica de treinamento.

A compreensão das lesões sofridas durante a competição e treinamento de triathlon é fundamental para cobertura médica do dia da corrida, elaboração de técnicas de treinamento, identificação dos fatores de risco e o desenvolvimento de estratégias de intervenção apropriadas para o Triathlon.

• Alguns dados importantes extraídos do artigo de SERGIO MIGLIORINI, membro do Comitê Médico da ITU: 80%-85% das lesões no triathlon são causadas pelo uso funcional excessivo;

• A incidência de lesões em triatletas é menor do que em corredores, mas acima do observado em nadadores e ciclistas. A redistribuição do estresse em várias partes do corpo e correção do desequilíbrio muscular são citados como razões para a redução da ocorrência de lesões;

• O risco de lesão é maior em competidores de elite, nas categorias de idade mais jovens, e naqueles que competem maiores distâncias, especialmente durante a corrida;

• Em corridas de triathlon de menor distância, a incidência de lesões (2,3%) foi substancialmente menor do que a relatada em corridas mais longas;

• Os triatletas com maior risco de lesão são provenientes de natação e ciclismo, pois não possuem experiência de corrida e elasticidade muscular;

• Uma alta porcentagem de lesões (51%) aparece no primeiro ano de prática de triathlon;

• Correr tem sido a ação mais comumente relatada associada a lesões em triatletas seguindo ciclismo e natação;

• O treinamento de ciclismo e corrida pode exercer influência cumulativa de estresse sobre o risco de lesão na região lombar. Alguns autores sugerem que o ciclo de transição (T2) é um período de risco particular tanto para lesão na coluna lombar quanto no joelho;

• A maioria das lesões ocorre nas extremidades inferiores e a síndrome do trato iliotibial (TIT) é comum em grupos de idade, enquanto problemas no tendão de Aquiles podem ocorrer em atletas de elite.

• Lesões térmicas: organizadores de corrida e diretores médicos devem estar preparados para os piores cenários possíveis. Em eventos de Ironman, a desidratação e a exaustão (58-72%) foram relatadas como muito maiores do que as queixas de trauma / ortopedia (13-22%). Treinamento e competição em climas quentes podem causar grandes problemas para os atletas. A lesão térmica pode ocorrer em três formas, particularmente com calor e umidade extremos: cãibras de calor, exaustão por calor e insolação. O colapso associado ao exercício (CAE) é o motivo mais comum pelo qual os atletas são tratados na tenda médica após um evento de triathlon. O colapso no evento de resistência pode ser atribuído a uma série de fatores, incluindo exaustão, hipertermia, hipotermia, hipotensão postural e desidratação.

Conclusão e princípios gerais de prevenção

Lesões agudas e de uso excessivo são frequentes no triathlon. Somente a correta compreensão do uso excessivo do aparato locomotor e uma assistência médica e técnica continuada e qualificada permitem ao atleta atingir os mais altos níveis de desempenho em uma disciplina esportiva que é extremamente complexa do ponto de vista fisiológico, biomecânico e traumatológico.

Para reduzir a frequência das lesões do triathlon, é importante desenvolver a capacidade técnica de nadar, andar de bicicleta e correr, além de evitar o treino intensivo (muito treino sem muita preparação técnica).

Para diminuir lesões e doenças é importante realizar uma avaliação periódica de saúde PHE. De qualquer forma, algumas das dores nas pernas não podem ser evitadas totalmente, porque o treinamento atlético moderno inclui quantidades tão vastas de treinamento que o sistema locomotor estará no limite superior de sua tolerância.
Referência / artigo original:
https://www.triathlon.org/uploads/docs/jhse_Vol_VI_N_II_Migliorini.pdf