Restringir calorias é melhor para o desempenho?

Atualmente existe um conceito experimentado pela maioria dos atletas de que quanto mais leve para correr melhor. Porém, para uma perda de peso saudável, a restrição calórica deve ser bem planejada ao longo da temporada e bem longe da prova alvo. Uma restrição calórica não adequada a determinado biotipo e genética, leva a prejuízos funcionais importantes que acabam por gerar perdas importantes de performance.

Em 2014, o COI publicou uma declaração de consenso intitulado “Além da tríade da atleta feminina: deficiência relativa de energia no esporte (RED-S)”. A síndrome de RED-S refere-se a prejuízos no funcionamento fisiológico prejudicado por relativa deficiência de energia e inclui, mas não está limitado a, deficiências na taxa metabólica, função menstrual, saúde óssea, imunidade, síntese de proteínas e doenças cardiovasculares. O fator etiológico dessa síndrome é a baixa disponibilidade de energia (LEA). O interessante desta publicação é que ela alerta para a restrição calórica experimentada pelos atletas do sexo masculino, uma vez que já existe na literatura inúmeras publicações que englobam mulheres (Ciência da Tríade do Atleta).

Contudo, para falarmos da Síndrome RED-S precisamos rever alguns conceitos básicos como o de disponibilidade de energia. LEA (baixa disponibilidade de energia) sustenta o conceito então de RED-S, e nada mais é que uma incompatibilidade entre a ingestão de energia de um atleta (dieta e suplementos) e a energia gasta em exercício, deixando energia inadequada para apoiar as funções exigidas pelo corpo para manter a saúde e o desempenho ideais.

Operacionalmente, a disponibilidade de energia (EA) é definida como:
Disponibilidade de energia (EA) = Consumo de energia (IE) (kcal) – Despesas de energia de exercício (EEE) (kcal) /Massa livre de gordura (FFM) (kg), onde o gasto energético do exercício (EEE) é calculado como a energia adicional gasta durante a sessão de exercícios e acima da energia basal diária, e o resultado geral é expresso em relação à massa muscular livre de gordura (FFM).
Em relação à medição de disponibilidade de energia (EA), apesar da importância primária de determinar se um atleta tem EA adequado, várias barreiras são encontradas para a realização de uma avaliação detalhada e padronizada da EA (por exemplo, o número de dias de coleta, metodologias para avaliar o consumo de energia, o gasto energético do exercício ou massa livre de gordura). Além disso, existem preocupações significativas sobre a confiabilidade e validade de cada uma dessas métricas. O melhor é obter um registro alimentar preciso do consumo de energia provenientes de fontes autorreferidas (alimentos e suplementos).

Outros desafios incluem a medição da energia do exercício durante muitas das atividades de treinamento / competição realizadas por atletas e por suas atividades recreativas / de estilo de vida adicionais.
Os cálculos da EA envolvem especialistas experientes e equipamentos para a avaliação da composição corporal, boa motivação e colaboração do atleta (por exemplo, manter um registro alimentar ou diário de atividades abrangente) e claro, tempo e experiência consideráveis para processar as informações. Assim, o acompanhamento dos atletas torna-se necessário.

 

 


Figura 1: Consequências para a saúde da deficiência relativa de energia no esporte (RED-S) mostrando um conceito expandido da Tríade Atleta Feminina para reconhecer uma gama mais ampla de resultados e a aplicação ao sexo masculino atletas (*As consequências psicológicas podem preceder o RED-S ou ser o resultado de RED-S).

 

Figura 2 Consequências potenciais de desempenho da energia relativa deficiência no esporte (* desempenho aeróbico e anaeróbico).

Baixa disponibilidade de energia em atletas do sexo masculino:

Semelhante às atletas do sexo feminino, há evidências crescentes de que os homens podem sofrer LEA em situações em que há uma incompatibilidade entre a ingestão de energia e o gasto energético do exercício no treinamento ou na competição. Populações de atletas do sexo masculino em aumento do risco de LEA e consequências à saúde pela RED-S incluem os ciclistas, remadores, corredores, jóqueis e atletas de luta com controle estrito de peso.
A LEA em atletas do sexo masculino é variada e geralmente única para o esporte. Muitos atletas não mantém o controle do peso ao longo da temporada e praticam as mudanças cíclicas na massa corporal e composição (‘Emagrecer Rapidamente’) ou praticam a restrição da ingestão prolongada de energia, o que se torna inadequada para atender o alto gasto energético para exercícios. No caso do esporte de resistência, observamos maior incidência naqueles que experimentam as mudanças no volume / intensidade do treinamento e participação em eventos de resistência extenuantes sem mudanças acompanhadas na nutrição.
Disponibilidade inadequada de alimentos, incluindo insegurança alimentar, práticas culturais, modismos ou falta de recursos financeiros também contribuem com risco de LEA em alguns atletas do sexo masculino, mesmo entre atletas profissionais, como sem dúvida também acontece em atletas do sexo feminino.
Embora o RED-S possa ocorrer em ambos os sexos, há prováveis ​​diferenças nas respostas biológicas ao LEA em atletas do sexo masculino em comparação com suas contrapartes femininas. A prevalência de LEA nos homens sugere uma provável redução do hormônio sexual testosterona afetando principalmente as questões ligadas a saúde cardiovascular e força muscular.

Priscila Machado é nutricionista e farmacêutica, mestre em Nutrição Humana, especialista em Nutrição Esportiva e pós-graduada em Fitoterapia e em Nutrição Ortomolecular e nutricionista voluntária da Confederação Brasileira de Triathlon.

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

× Como posso te ajudar?